terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

O mais prazeroso sexo

Garota desbocada é um espaço visualmente tosco, ideologicamente irreverente, em que posto artigos politicamente incorretos sobre as minhas insatisfações e inquietações. Se quiser rir e praguejar comigo, entre e fique à vontade RS


Muito se lê e se fala e se escreve sobre sexo. Tem gente, inclusive, que acredita que sexo é o antídoto contra todas as dores da vida, como um bebezinho que quer sugar o mamilo da mãe o dia inteiro.


Fala-se sobre as melhores posições, as mais confortáveis, as mais sensuais, as que exigem menos ou mais flexibilidade e preparo físico. Fala-se sobre as que colocam a mulher no controle, as mais patriarcais , as que permitem uma penetração mais profunda, as visualmente mais excitantes. 

Fala-se sobre fetiches, fantasias, clichês que dão certo ( normalmente clichês funcionam, caso contrário não se tornariam clichês).  Fala-se sobre zonas erógenas, temas tabu como homens gostarem de serem penetrados  com os dedos ( gostar de fio terra não torna nenhum homem gay. O problema é fazer muitos deles entenderem isso). Fala-se sobre joguinhos que alguns casais gostam de fazer, os melhores tipos de beijo , o que significa ter uma boa pegada, como as preliminares contam para uma mulher. 

Acho que quase todo mundo tem a sua receitinha privada e íntima de como se sentir bem na cama e de como dar prazer ao parceiro ( aqueles homens e mulheres que se importam com isso obviamente). Infelizmente , muitos homens acham que sexo é só penetrar e algumas mulheres acham que basta deitar na cama com as pernas abertas como se fosse fazer um exame ginecológico. 

Obviamente , um homem que só pensa em penetrar induz a parceira a este tipo de conduta...bem, mas este tema fica para outro post.  Não tô a fim de falar sobre transas meia boca hoje.

Como estava dizendo, a maioria das pessoas tem os seus segredinhos...uma determinada maneira de passar a língua pelas mais variadas partes do corpo. Um movimento específico na hora da penetração. A fala certa na hora certa. A submissão ou a dominação, dependendo do contexto. Sim, às vezes, é preciso entregar-se, submeter-se. Às vezes, é preciso virar a mesa, mostrar as garras, ser intenso, rasgar o outro ao meio.

Mas nenhum gesto, nenhuma palavra , nenhuma lingerie, nenhum fetiche ao meu parecer pode excitar e envolver e penetrar tão profundamente a alma de uma pessoa quanto um ingrediente secreto. Nenhuma posição, nenhuma fantasia, nenhuma carícia , nenhuma imundície ( sim, o amor tem seu lado imundo sim)  pode devassar mais a intimidade de uma pessoa quanto um ingrediente secreto. 

Pode soar antiquado e cafona, mas nada para mim me parece tão mais prazeroso no sexo quanto o amor apaixonado.  

Sem o olho no olho, o rubor nas faces , o tremor do corpo, o desejo de render-se completamente ao outro tudo vira mera performance. 

Sem ele , tudo vira uma mera troca de humores e solidão a dois. 







Sílvia Marques é escritora, professora doutora e escreve regularmente na Obvious.  Viciada em café, chocolate, vinho barato, dias nublados, filmes bizarros e pessoas profundas. 

3 comentários:

  1. Acredito que o sexo vai muito além de um ato de "penetração casual." É toda forma de prazer que unifica o corpo com a alma. Muito homens e mulheres práticam, como você mesma citou, como se o sexo fosse um remédio para aliviar o estresse ou melhorar o humor. E no final, o gozo se torna "gozado". Quando o tal prazer tornasse uma frustração. Pois, no final daquela "rapidinha" não se tem um prazer pleno.Só vai haver um sentimento de utilização. Existe várias formas de prazeres e receitas como já disse para se chegar no ápice do prazer. Mas, se realmente não tiver um sentimento ali, uma paixão para dar sentido, tudo aquilo que foi feito realmente não vai adiantar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Darlin. Como diria Tom Jobim e Chico Buarque "Eu só sei que é preciso paixão".

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir