quinta-feira, 1 de junho de 2017

Amor , apenas o amor

Garota desbocada é um espaço visualmente tosco, ideologicamente irreverente, em que posto artigos politicamente incorretos sobre as minhas insatisfações e inquietações. Se quiser rir e praguejar comigo, entre e fique à vontade RS

É como se eu tivesse vivido num coma existencial durante milênios, querendo ardentemente o que eu mais repudio, o que eu mais não desejo para mim. 

É como se eu corresse na direção de algo que não quero. Finalmente , me vejo nua e crua na frente do gigantesco espelho da alma. Sou pérfida. Sou suja. Pouco me importa a minha mesquinhez. Sou o que sou. Tenho amor de sobra para dar.  Mas não quero correntes a me aprisionar.

Sou como o vento: leve e fluida. Sou como o metal: pesada e trágica. Não caibo em nenhuma palavra. Estou no campo do real. Estou no campo daquilo que não pode ser dito. Sorrio.  Que delícia!

Quase gozo diante do indescritível.  Bebo mais uma taça de vinho. Morro de amor por você. Morro de amor de mim.  A vida é cinza , mas vejo mil cores dançando à minha frente , retirando os seus véus , me sorrindo cheias de malícia. O vermelho explode. Sou tua. És meu. Nada mais importa. 






















































Sílvia Marques é escritora, professora doutora e escreve regularmente na Obvious.  Viciada em café, chocolate, vinho barato, dias nublados, filmes bizarros e pessoas profundas.










domingo, 28 de maio de 2017

A vida é meio escatológica

Garota desbocada é um espaço visualmente tosco, ideologicamente irreverente, em que posto artigos politicamente incorretos sobre as minhas insatisfações e inquietações. Se quiser rir e praguejar comigo, entre e fique à vontade RS

Acho que sou a única mulher no planeta Terra que solta pum...ou seria melhor dizer , a única que peida. Sim, eu peido. E tiro aguinha do joelho e cago com gosto. Acho um frisson a saída do cocô. É quase uma massagem relaxante. Não digo que seja de graça pois um bom e macio papel higiênico tem o seu custo.

Quando as mulheres se recusam a falar sobre peidos ou usam termos infantis para se referir aos atos de evacuar , sinto que os odores emitidos pelas mesmas fedem menos.  O poder das palavras. Sim, palavras têm o poder de maquiar realidades duras. Mas por pouco tempo...basta um jato forte de água para borrar o rímel e  transformar a base e o blush numa massaroca. 

Viver e amar não é só declamar versos e aspirar o odor de flores e acariciar as pétalas macias de rosas.  A vida tem a sua porção escatológica e ela é bem grande, gostando ou não, aceitando-a ou não.

Não importa a marca do batom e o quanto é caro o  creminho que passa no rosto antes de dormir para dar um up-grade na pele. Não importa o quanto seus dentinhos sejam bem escovadinhos. Ao amanhecer, podemos sentir em nossa boca e na boca da pessoa amada milhares de pequenos cadáveres dançando.

Não adianta o preço do rímel , os olhos amanhecerão com remelas. Não adianta evitar ao máximo palavras que se refiram a dejetos. Todos nós iremos fazê-los com seus odores típicos.

Não adianta saber combinar uma bolsa com sapatos como ninguém. Ainda exalaremos um cheiro azedo caso fiquemos um dia inteiro sem tomar banho . Principalmente se for um dia quente. E quando o suor secar na roupa , vamos sentir cheiro de qualquer coisa velha , com data vencida. E depois de um dia incrível, pensaremos meio indignados : "Mas este cheiro é meu mesmo? 

Cheiros constrangedores parecem pertencer apenas aos mais pobres e feios. Não, não se iluda. Seu creminho anti-idade não te faz mais jovem nem teus perfumes caros essencialmente cheirosa.

É tudo fantasia , ilusão. E quem tiver senso de humor , saberá rir desta gigantesca piada que é existir. 













































Sílvia Marques é escritora, professora doutora e escreve regularmente na Obvious.  Viciada em café, chocolate, vinho barato, dias nublados, filmes bizarros e pessoas profundas.











quinta-feira, 25 de maio de 2017

Poesia na veia

Garota desbocada é um espaço visualmente tosco, ideologicamente irreverente, em que posto artigos politicamente incorretos sobre as minhas insatisfações e inquietações. Se quiser rir e praguejar comigo, entre e fique à vontade RS

Gosto do teu cheiro pela casa. O gosto do fumo em sua boca. Respiro lentamente , caindo em queda livre nos abismos caóticos da minha alma de poeta. 

Ando nua e descalça por terras imaginárias, tecendo poesia com minhas memórias vagas. Teu cheiro me leva para o meu paraíso perdido, para a minha terra prometida onde jorrarão vinho e melodia.  Onde me colocarei a dançar loucamente ao som das verdades tecidas por minhas mãos. 

Detesto o moralismo desta gente que não sabe gozar. Detesto o moralismo que ainda reside em mim , segurando o meu braço com violência diplomática , trancando em meu peito, em minha garganta , em minha boca o grito louco que não quer parar. 

Quero correr pela rua sem ter hora para chegar . Quebrar os relógios do mundo. Me atirar em seus ponteiros e simplesmente brincar e brincar e brincar pois tudo não passa de uma grande piada. 

Quero o teu beijo antes de dormir pois é um dos poucos clichês que posso suportar sem cair aos prantos ou na gargalhada. Quero o teu beijo pois ele é a sua parte que pertence a mim. É a parte que posso engolir e deglutir como o mais venenoso dos frutos proibidos. 

Não temo os venenos . Temo as curas. Gosto de me olhar no espelho e me ver assim meio torta , meio irônica , meio doce. Meio sua , meio minha , meio desta humanidade perdida , que crê na Salvação do Deus espinafre e que tece preces aos santos rúcula , acelga e tomate sem azeite. 

Continuo a me envenenar comigo mesma , com minha poesia suja e barata. Com o meu amor que se chafurda em lençóis amarfanhados.  




































Sílvia Marques é escritora, professora doutora e escreve regularmente na Obvious.  Viciada em café, chocolate, vinho barato, dias nublados, filmes bizarros e pessoas profundas.












terça-feira, 23 de maio de 2017

Uma ode ao amor louco

Garota desbocada é um espaço visualmente tosco, ideologicamente irreverente, em que posto artigos politicamente incorretos sobre as minhas insatisfações e inquietações. Se quiser rir e praguejar comigo, entre e fique à vontade RS


Disse à minha analista que era uma vaca. Sim, sou uma vaca. Sou forte , sou fêmea. Não temo o meu desejo e o olho nos olhos , sorvendo teu sangue com boca boa . Com a boca de quem sabe o que quer ou imagina saber.

Sim, sou uma vaca pois não me quebro diante do teu olhar . Pois controlo o fluxo do prazer até render-me a ele. Porque sou o que sou nos teus braços indecentes. Porque sou o que sou na minha ânsia imprudente de ser eu mesma.

Lembro de nós dois caminhando pela rua numa noite de chuva.  Aprisionou-me na tua memória como aquela mulher que te queria sem te querer. Teu desejo me arrasta ao ponto de partida da nossa história. Teu desejo me obriga a ser a fêmea que transforma seu maior medo em sua maior coragem. E continuo a vagar por uma chuva imaginária , bebendo de um futuro que me parece cada vez mais seguramente incerto ou incertamente seguro. 

O caos virou nossa rotina. Roupas pelo chão. A louça por lavar. A garrafa de vinho vazia rindo da nossa cara. Rio também. Você me indaga. Não sei dizer o porquê. 

Sou esta poça de imundície que colore o mundo com cores novas. Sou o odor quente que traz uma lembrança tenra de terras distantes.  Sou o que não posso explicar ou o que não quero entender . 

Seguro tua mão. O calor da tua pele entra em choque com o frio da chuva. Tudo se dilui. 






























Sílvia Marques é escritora, professora doutora e escreve regularmente na Obvious.  Viciada em café, chocolate, vinho barato, dias nublados, filmes bizarros e pessoas profundas.














segunda-feira, 22 de maio de 2017

O que transborda...

Garota desbocada é um espaço visualmente tosco, ideologicamente irreverente, em que posto artigos politicamente incorretos sobre as minhas insatisfações e inquietações. Se quiser rir e praguejar comigo, entre e fique à vontade RS



Têm coisas e pessoas e sentimentos que transbordam. Do resto, pouco ou quase nada entendo. E nem quero entender. Por mais que diga que sim. Sim, tenho o meu lado dissimulado quando finjo para mim mesma que compreendo  o medo alheio ou que me escandalizo com as suas ideias insólitas numa mesa de bar. 

Sempre senti certo respeito desdenhoso por aquilo que não extrapola , por aquilo que não salta aos olhos. Por aquilo que não agarra a jugular querendo beber até a última gota da alma alheia.

Desprezo abraços frouxos , sentimentos incapazes de gritar , de gemer , de gozar . Desprezo as máscaras bem comportadas de quem não consegue se dar.  Muito menos receber. Não há nada mais apequenado do que recusar o gesto louco alheio. Quem não tem senso de humor  para tecer as suas redes, ao menos ria da piada feita. 

Gosto de pessoas que escutam a música e se põem a dançar. Ou que dançam mesmo sem ouvi-la. Este é o maior ato de fé. 

Gosto daqueles que fluem rumo aos outros. Gosto de pessoas despudoradas , que se rasgam em confidências imprudentes, indecentes. Gosto de quem apanha 70 x 7 vezes e ainda mostra o rosto cheio de empáfia. 

Desprezo os que usam as porradas anteriores para justificar a própria covardia , a incapacidade de dançar nu na chuva ao som de uma canção imaginária.  Levar na cara e chorar e sorrir ao mesmo tempo , engolindo o sangue juntamente com a esperança de qualquer coisa abstrata é para os fortes.  

Não, não entendo as armaduras. Dizer que entendo faz parte do meu teatro barato.  Mas diante das minhas paredes internas revestidas por espelhos, onde me ponho nua e desbocada , rio estridentemente , viro quase um demônio,  sem nenhuma compaixão por estes zumbis que empacam as ruas da alma, cortando o fluxo dos rios da criatividade.  Cortando o fluxo de tudo aquilo que existe de mais genuíno, intenso e medonho.  



















































Sílvia Marques é escritora, professora doutora e escreve regularmente na Obvious.  Viciada em café, chocolate, vinho barato, dias nublados, filmes bizarros e pessoas profundas.













quinta-feira, 11 de maio de 2017

Escultura viva

Garota desbocada é um espaço visualmente tosco, ideologicamente irreverente, em que posto artigos politicamente incorretos sobre as minhas insatisfações e inquietações. Se quiser rir e praguejar comigo, entre e fique à vontade RS

Sinto-me cansada. Profundamente cansada. Um cansaço de alma. Minha boca cansou de pregar no deserto, de dizer o que a poucos ou a quase ninguém interessa ouvir.

Queria dormir . Um sono longo. Durante milênios. Acordar numa nova Era. Na Era do caos poético , onde pudesse comprar um sanduíche fazendo uma rima e cada frase simples soaria como uma declaração de amor  sussurrada ao pé do ouvido em uma noite fria , a fumaça do cigarro dançando diante dos meus olhos , me envolvendo em seus braços , me levando para terras distantes.

Queria viajar para fora da mesmice, do lugar comum, do pensamento positivo, do nota sete está bom. Queria viajar para fora do banal e sentir gosto de festa a cada olhar.

Queria ser surrada por palavras inesperadas, por sonhos que extrapolassem o desejo de comprar uma casa. Queria brincar de faz de conta , ser mil personagens e fazer uma caricatura de mim mesma ou daquilo que imagino que eu seja.

Queria viver de amor e poesia e prosa no portão, num fim de tarde mágico, onde as cores do céu formassem um quadro abstrato e me sugassem e te levassem comigo para um plano de ousadia.

Queria criar asas na alma , sair voando de olhos fechados , deixando para trás tudo aquilo que não me pertence e que insiste em me agarrar nesta terra pobre, sem imaginação, de olhos parvos e opacos. 

Queria me fazer arte , uma nota solitária de uma melodia , o verso final de uma poesia , a pincelada transgressora numa tela nua, um movimento de câmera estranho que me partisse em duas...

Estou cansada...profundamente cansada. 






































Sílvia Marques é escritora, professora doutora e escreve regularmente na Obvious.  Viciada em café, chocolate, vinho barato, dias nublados, filmes bizarros e pessoas profundas.












terça-feira, 9 de maio de 2017

Sobre mortes naturais e suicídios simbólicos

Garota desbocada é um espaço visualmente tosco, ideologicamente irreverente, em que posto artigos politicamente incorretos sobre as minhas insatisfações e inquietações. Se quiser rir e praguejar comigo, entre e fique à vontade RS

Ando pensando se me descobri ou se me reinventei. Caso tenha me descoberto, sofri uma morte natural. Caso tenha me reinventado, cometi um suicídio simbólico. 

Penso também se me importa saber o que realmente aconteceu. Se deixei para trás sonhos com data de validade vencida ou se simplesmente me toquei que tais sonhos não eram meus. De uma forma ou de outra , o passado é passado  e o que eu não vivi está definitivamente perdido, para o meu bem ou para o meu mal. 

Talvez o que realmente importe seja este gosto de vinho branco dançando na minha alma e este frenesi de beijo romântico tatuado na pele da minha mais intensa intimidade. 

Fecho os olhos e gemo baixinho, com um sorriso meio sarcástico, imaginando que nada realmente importa. Ir para a direita ou para a esquerda. Subir o morro ou me estirar na praia. Pouco importa me atirar de penhascos interiores ou me deixar boiar em águas tranquilas. 

Sinto que deságua em mim com a simplicidade daquilo que não precisava acontecer. O acaso é o maior destino. Você não necessitava nem devia acontecer , mas mesmo assim aconteceu e eu me deixo levar por esta casualidade com gosto de sushi compartilhado num final de domingo banal. 

Quase sempre pegamos a direção errada na estação do metrô. O amor é o mais lúdico e trágico dos acidentes. 

Gosto do seu jeito blasé. Fone de ouvidos. Mochila jogada nos ombros. Barba por fazer. Misto de preguiça com vontade de crescer. Gosto do meu jeito blasé. Sempre atenta. Bolsa nas mãos. Um sorriso de canto de boca. Misto de desilusão com vontade de ser o que não sou ou ser aquilo que finjo não ser. 

Sou mais pura do que os jovens pensam que sou e mais obscena do que os mais velhos avaliam. Sou tudo o que está entre a imaginação de todos. Sou nada. Vácuo. Poesia recitada por uma voz embriagada numa cidade dizimada. 

Sou o que não pode ser dito. O que dorme calmamente no vazio. Sou o olhar cansado e perdido quando as palavras me fogem, quando saco a última frase de efeito. 

Sou aquela que quer e não quer partir no último beijo dado no metrô. Sou aquela que se mantém nos braços das suas lembranças e sou também a outra que sai apressada pela plataforma. Amar extenua...

Sinto saudade mesmo quando estou em seus braços.  Talvez , sinta saudade do minuto passado, daquilo que nunca mais poderemos sentir nem viver. Talvez, sinta saudade daquilo que só imaginei ou daquilo que poderia ter sido saboreado com molho de pimenta. Sinto saudade daquilo que estou vivendo pois sei que qualquer parte do sentido , pois sinto que qualquer parte sua me escapa pelas brechas dos meus abismos. Tento te reter em uma palavra de amor...inútil! O amor não cabe em nenhuma palavra. O amor é perplexidade e certeza lançadas no caos. 

Me embriago com minha bagunça interior. Deito sobre lençóis amarfanhados e sorvo uma gota de café já frio antes de adormecer feliz. 





































Sílvia Marques é escritora, professora doutora e escreve regularmente na Obvious.  Viciada em café, chocolate, vinho barato, dias nublados, filmes bizarros e pessoas profundas.