domingo, 4 de setembro de 2016

Ridículo

Garota desbocada é um espaço visualmente tosco, ideologicamente irreverente, em que posto artigos politicamente incorretos sobre as minhas insatisfações e inquietações. Se quiser rir e praguejar comigo, entre e fique à vontade RS


Existe um quê de ridículo na felicidade. E outro maior ainda na infelicidade. Talvez, o único estado de espírito não patético seja a indiferença, seja aquele tipo de bem-estar desprovido de calor ou aquela tristeza que já não nos machuca mais , por fazer parte de nós, por ter se integrado à nossa carne. 

Aquele tipo de tristeza que se pudesse ser dissolvida nos faria sofrer mais com a sua ausência do que com a sua presença. 

Aquele tipo de tristeza que é quase feliz pois nos aconchega numa zona de conforto.  Não, não podemos cair mais ...não, não podemos descer mais...ilusão. 

Nunca descemos tudo o que temos potencial para descer e mesmo depois de ter destilado os piores e mais letais venenos , ainda resta um pouco de fel no canto da boca , debaixo da língua , esperando o momento oportuno ou inoportuno para ser cuspido na cara de alguém. 

Ou para ser simplesmente engolido por nós mesmos...quem nunca já se envenenou com o seu próprio ódio? Quem nunca utilizou de suas próprias palavras para tecer o mais afiado dos punhais e cravá-lo o mais profundamente no centro da sua alma , com um sorriso de canto de boca...escárnio...gosto de vinho velho...cheiro de lembranças que fazem uma dança grotesca.

Acusam os felizes de iludidos. Ingênuos. Parvos. Os infelizes também o são. Os felizes comem bolo de chocolate depois do almoço de domingo. Os infelizes se lambuzam com suas próprias desgraças.

Ambos não entendem um preceito básico: a vida é tédio, falso movimento, nada fica , nada importa, nada dura. Sim, é dura...ambos não entendem que realmente nada merece as nossas lágrimas ou os nossos risos. 






.




Sílvia Marques é escritora, professora doutora e escreve regularmente na Obvious.  Viciada em café, chocolate, vinho barato, dias nublados, filmes bizarros e pessoas profundas. 


3 comentários:

  1. Acredito que não é preciso ser uma profissional para se apreciar uma boa taça de vinho. De ver aquela cor. De sentir o cheiro e a suavidade do líquido tocando nos nossos lábios. Olhamos para taça e fixamente observando aquele tom de cor. Que apaixona e te seduz aos poucos motivando o próximo gole. E o tempo é nosso,nesse mundo particular do nosso quarto. Onde guardamos os nossos suspenses, mistérios, romances e os nossos dramas. E que a vida lá fora nunca consiga estragar. Porque, tentar entender a vida e todo o seu sentido é algo frustrante. É o mesmo que querer sentir o gosto da calda de groselha amargando novamente na boca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim...ás vezes, o mundo exterior estraga o nosso interior, íntimo, cálido. Às vezes, o inverso ocorre. O nosso mundo interior, perturbado e perturbador nos embaça a vista e azeda o gosto do vinho, nos impedindo de saborear tantas delícias que nos cercam, mas que não percebemos porque estamos mergulhados profundamente em nossa dor existencial.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir